Powered by WP Bannerize

Rss

Barreirinhas mantém estado de greve e aguarda resposta da prefeitura até início de maio

Os professores da rede municipal de Barreirinhas decidem manter o estado de greve, na luta pela aplicação correta da jornada de trabalho, e vão aguardar, até o início de maio, um posicionamento da prefeitura. O encaminhamento foi tirado na última reunião entre representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma) e da gestão municipal, ocorrida no início desta semana.

Desde o dia 23 de março que os professores estão em estado de greve. O motivo é o desrespeito da prefeitura, que tenta obrigar os professores a cumprir jornada de trabalho diferente da estabelecida na Lei do Piso. A prefeitura quer o cumprimento de 16 aulas semanais, contrariando a jornada correta que é de 13 aulas semanais.

A Lei 11.738/2008 manda destinar 1/3 da jornada para atividades extraclasse. O terço da jornada corresponde a 13 aulas semanais, mas algumas prefeituras querem que a categoria cumpra 16 aulas. Segundo o sindicato, essas gestões fazem o cálculo equivocado da jornada, levando em conta a hora-relógio de 60 minutos e não a hora-aula convencional que é de 50 minutos.

Além do cumprimento correto da jornada, a luta dos professores de Barreirinhas é pela unificação da jornada, que seja única para toda a categoria. “Na ultima reunião com o prefeito, ficou acertado que ficaremos aguardando um mês para uma nova rodada de diálogo, tempo em que ele estudará o impacto que terá no orçamento. Se não voltar atrás e respeitar os nossos direitos, vamos fazer greve por tempo indeterminado” ressaltou a coordenadora do núcleo sindical de Barreirinhas, Leonilde Chaves.